domingo, 20 de julho de 2008

eternamente



esse relâmpago no teu olhar
a ebriedade na pele impetuosa
e nos lábios de veludo desmaiado
são murmúrios incessantes
de outrora
de agora
e do odor melífluo do meu ser
emergem memórias de uma vida
no líquido oceano do meu desejo
tu navegas-me ainda 
vives em mim eternamente



alexandra, 2006








2 comentários:

Vera disse...

Há amores que duram para sempre...

"tu navegas-me ainda
vives em mim eternamente."

Muito lindo!

Beijinhos

andromeda disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.