quarta-feira, 1 de agosto de 2007

im memoriam



o ser que foste
apagou-se silenciosamente
o pavio da vida
repentinamente se extinguiu

de ti nem nome nem datas
resplandece o olvido
o desprendimento pungente
aberrante
nesse cantinho esquecido
que partilhas agora
com os que em sossego
alcançaram também o infinito

para eles flores
da cor dos abraços
em tons de saudade
para ti o vazio
nesse plaino de dor
um número tão somente
nada mais

numa morna tarde de inverno
procurei-te
e com uma singela rosa branca
respeitosa e sentida
anonimamente nomeei-te



alexandra, 2004






2 comentários:

Helena de Tróia disse...

Doces palavras que aquecem a alma daquele que partiu e só morreu...

Bj

Helena

Saturnino disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.