sexta-feira, 3 de agosto de 2007

desejo




qual árvore vestida de outono
uma a uma as folhas abandonam-me 
deixam-me nua
e o solo onde lentamente me acabo
é o mesmo que após longo e gélido Inverno
nutrirá minhas raízes
fortificará a doce seiva
que me há-de enverdecer de novo
e acordará em mim
o desejo de recomeçar o sonho de viver




alexandra, 2001



5 comentários:

Helena de Tróia disse...

Já tive a oportunidade de te dizer que este poema me tocou... sem dúvida alguma o nosso renascer faz parte do ciclo das nossas vidas!

Beijinho

Helena

Mel de Carvalho disse...

Um poema belíssimo. Gostei de aqui estar, vinda de lá, de onde somos vizinhos.

A música é de uma paz que me fez bem, neste final de tarde.

Um abraço
Mel
www.noitedemel.blogs.sapo.pt

Saturnino disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.
Alexandre Reis disse...

Bem, também resolvi aparecer.
Nada como retribuir.
Este blog é... outro mundo mesmo!
E, afinal, quem não deseja renascer?!
Muitos e bons renascimentos.

Sman disse...
Este comentário foi removido pelo autor.