segunda-feira, 29 de junho de 2009

άλφα...ωμέγα




amo-te
como Hélios ama Géia
e prenhe de ternura
a envolve num abraço
imenso e perpétuo

amo-te
como o orvalho límpido
se precipita sobre o prado
e desliza fecundo
no ventre ansioso

amo-te
como a lua ama a noite
com hálito de prata
extasiada a seduz
e a afaga de luar

amo-te
como o nascente ama o poente
bailando na noite-breu
para desabrochar autêntico
nessa dança que o perfaz

amo-te assim
hoje e sempre
alfa e ómega
de mim




alexandra, 09-02-09





3 comentários:

proferman disse...

Sempre molto tenera

Alexandra disse...

Ti ringrazio per le tue gentili parole...

Un bacio!

Maria João disse...

Gosto de te sentir de volta!
Sonho, dor, esperança e fantasia transpiram nos teus poemas...
Escreves bem e eu gosto muito de te ler.

Um beijinho