quinta-feira, 2 de abril de 2009

aniversário



uma a uma
trasbordam lágrimas de mim
no chão da vida

e a meus pés

na dor derramada
diáfana de mágoa
distingo o meu passado
presumo o meu devir



alexandra,  01-04-09



8 comentários:

Isabel José António disse...

Cara Amiga Alexandra,

Vinha navegando entre blogues e "aportei" aqui neste seu.

E vi coisas muitos bonitas entre as quais o F Pessoa.

E um poema seu cheio de sentido e sentir.

Muitos parabéns.

E deixo-lhe uma pequena homenagem:

Pego em dois versos seus e escrevo:

"Transbordam lágrimas de mim
No chão da vida" que escolhi
Pois quero eu fazer dela um SIM
E vivê-la AGORA sempre e AQUI

Não quero olhar o passado
Tão pouco para o futuro
Aquilo que já está acabado
Não quero torná-lo em muro

Vou por aí nesta jornada
A viver sempre o presente
Olhos postos na alvorada
Atento aquilo que se sente

Olho para o mar sem fim
No céu núvens de algodão
Porque foi que aqui vim
Se não para abrir o coração

Abri-lo para outras dimensões
Olhar a vida com olhos de VER
Sentir sonhos, luz e emoções
Ter a intenção de apenas SER

Um grande abraço

José António

PS.:

Se nos quiser visitar sinta-se à vontade, em qualquer dos nossos blogues

Paola disse...

Alexandra querida,

Agradeço a tua visita, o teu carinho, a beleza das tuas palavras que percorro emocionada... há aniversários feitos de lágrimas...

Beijo doce

Cris Animal disse...

A lágrima sempre lava a alma. O sal da lágrima pode arder, mas ele cura feridas!
Meu carinho pra vc
..............Cris Animal

Maria João disse...

Olá Alexandra..

Os dias nunca são iguais, é certo!
Há sempre algo a acrescentar, algo de inesperado, algo que nos surpreende.
Hoje tive esta surpresa, a de saber que me visitou... a de a visitar também!
Que agradável surpresa, quanto gostei do que encontrei aqui!
Seguirei o que escreve, atentamente e com muito prazer.
Lá, nos Pequenos Detalhes será também, sempre bem vinda.

Um beijinho e parabéns

Nilson Barcelli disse...

Tão triste...
Presume o teu devir com muito sol.
Parabéns, ainda que atrasados.
Beijo.

Alexandra disse...

Tenho de agradecer a todos a visita ao meu cantinho e os comentários deixados que sempre me encantam - obrigada!
Para os que me visitam pela primeira vez, espero que voltem sempre. Quanto a mim, irei visitá-los no vosso espaço onde, certamente, gostarei de passear.

Quanto à tristeza que transpira do meu texto... há dias assim, em que nem as brisas mais melífluas conseguem adoçar a nossa existência, em que tudo são chicotadas de dolorosas lembranças...
Beijinho, Nilson!
Beijinho a todos!

Aníbal Raposo disse...

Olá Alexandra,

Bonito poema.

Às vezes a vida é triste. Pessoalmente acho que nós é que desenhamos o nosso porvir. Faz um desenho alegre do futuro.

Beijos

Alexandra disse...

Um agradecimento sincero pelo teu comentário, Aníbal, e sê bem-vindo ao "meu cantinho".

Beijo.